Qual a diferença entre mapa, modelo e diagrama de processos?

Diagrama é uma visão superficial e sem detalhes do processo. Ex.: Diagrama SIPOC e Diagrama de Tartaruga. Já o mapa, como o nome diz, é uma representação um pouco mais detalhada que mostra os caminhos que o processo percorre. E por fim, o modelo é uma representação com mais níveis, caminhos, papéis e responsabilidades. Modelos são usados para automatizar processos.

Vamos aprofundar esse assunto?

Você já sabia que existe diferença entre mapa, modelo e diagrama de processos? Muitas vezes esses termos são utilizados como sinônimos, mas cada um deles possui uma definição específica. Pois bem, as definições são diferentes, mas os três tipos de desenhos tem o mesmo objetivo: entender a maneira como certo processo funciona e qual é a sua real missão e responsabilidade.

Diagrama de processo

Se eu desenhar um diagrama do meu processo a visão que eu terei é como se eu estivesse dentro de um avião olhando para baixo. Ou seja, o diagrama apresenta uma visão superficial, uma visão macro, sem detalhes. É um entendimento rápido sobre as principais atividades do processo.

Quando eu devo fazer isso? Dois exemplos:

1) Quando você precisa entender quais são as atividades que estão realmente ligadas a missão do seu processo e quais não estão.

2) Quando existir conflitos de responsabilidades entre processos.

Veja como o diagrama é uma macro visão, exemplo (Processo de uma Pizzaria):  Comprou-se ingredientes >>> Fez-se uma pizza >>> Comeu-se a pizza

Saiba tudo sobre diagrama SIPOC neste Pocket Webinar. Clique na imagem e assista:

Como_fazer_SIPOC_POCKET_WEBINAR
Como_fazer_SIPOC_POCKET_WEBINAR

Mapa de processo

O mapa apresenta um nível um pouco maior de detalhes. É um desenho que fica exatamente entre o diagrama e o modelo. É importante você entender que em um mapa de processos você não terá apenas informações tão superficiais como no diagrama. Porém não terá informações tão detalhadas como em um modelo.

Voltando ao exemplo da pizza>>> Comprou-se ingredientes >>> Organizou-se os ingredientes >>> Fez-se a massa >>> Recheou-se a pizza >>> Assou-se a pizza >>> Comeu-se a pizza

Quando é indicado o mapa? Quando você deseja entender como o seu processo funciona e possivelmente propor alterações, melhorias.

Quando não é indicado o mapa? Quando você pretende automatizar o processo. Pois, para automatização é mais indicado que você tenha um modelo deste processo. Veja o motivo:

Modelo de processo

O modelo é a representação completa com todas as informações encontradas no processo. No modelo você identifica cada atividade, o tempo de execução, responsável, etc. Se fossemos falar do exemplo que eu mencionei anteriormente sobre a pizzaria, colocaríamos aqui cada atividade detalhada desde a busca por ingredientes e quantidades até o consumo da pizza pronta.

Quando é indicado o modelo? Quando você deseja automatizar o processo (software de BPMS).

Quando não é indicado o modelo? Se você não deseja automatizar, não faça um modelo do processo. Faça um mapa ou um diagrama. Pois, como trata-se de um nível muito detalhado de informações, quando você terminar de fazer os modelos de três processos, o primeira já estrará desatualizado.

Ficou simples, né?

Agora, você saberá como diferenciar quando alguém lhe disser que está fazendo um Diagrama do processo,  um Mapeamento de processos ou uma Modelagem de processos.

Fique à vontade para deixar um comentário ou alguma pergunta (respondemos rapidamente). Compartilhe nas suas redes sociais também, sempre haverá algum profissional interessado no conteúdo. Eu, Bruna, sou fã da disseminação de conhecimento e quero ajudar cada vez mais a transformação de processos! Afinal, transformar processos está no DNA da SML Brasil!

Até mais!

Bruna Amaral

View posts by Bruna Amaral
Meu nome é Bruna Amaral Castro. Sou Engenheira de Produção, formada pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos, sou CBPP e auditora de processos formada pelo Instituto de Qualidade Automotiva (IQA). Possuo oito anos de experiência atuando em melhorias de processos de negócio em empresas de grande porte como: Ferramentas Gedore, AGCO do Brasil, John Deere e DHB Global. Aqui na SML Brasil eu atuo com o desenvolvimento corporativo e projetos estratégicos, além disso, sou apaixonada por Business Process Management e melhoria contínua.